joelina.candido@ibest.com.br

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Jornal 24 Horas Online: PROFESSORA CLÁUDIA DAMASO CURTINDO A FAMA NA GINAS...

Jornal 24 Horas Online: PROFESSORA CLÁUDIA DAMASO CURTINDO A FAMA NA GINAS...: Por: JOELINA CÂNDIDA ALVES A Jornalista Joelina Cândida Alves, descreve a professora de Ginástica e Hidroginástica da Vila Olí...

PROFESSORA CLÁUDIA DAMASO CURTINDO A FAMA NA GINASTICA DO RIO

Por: JOELINA CÂNDIDA ALVES


A Jornalista Joelina Cândida Alves, descreve a professora de Ginástica e Hidroginástica da Vila Olímpia do Mato Alto: “A melhor professora de ginástica que existe no Rio de Janeiro com certeza é a Claudia Damaso. Atenciosa e preocupada com todos sempre. Profissional dedicado e que ama sua profissão, espalhando à todos uma vontade enorme de treinar e procurar manter a rotina dos exercícios físicos. Por ela amar o que faz, faz com maior dedicação e passa aos alunos esse amor intenso. A Claudia Damaso merece essa homenagem  de todos os seus alunos. Claudinha é elogiada por seu trabalho como professora de Ginástica e de Hidroginástica, na Vila Olímpica da Praça Seca, Jacarepaguá.

Em suas aulas Claudinha contribui para a manutenção de estilo de vida ativo e saudável de todos os seus alunos.
Suas aulas são compostas de atividades físicas de baixo ou de alto impacto, com duração aproximada de 60 minutos. 
Claudinha orienta sempre aos seus alunos, que a redução da prática de atividade física, o sedentarismo e o estresse comprometem a saúde e a produtividade do homem. 
O trabalho da Claudinha é fundamental para a prevenção de doenças e promoção do bem-estar e da cidadania, na construção de uma sociedade mais saudável, justa e igualitária. 
Essa é a Professora Claudinha, uma pessoa que entregou sua vida inteira pela arte da ginástica, e que virou celebridade para os seus alunos. 
Seus alunos vão da primeira à Terceira Idade e todos curem as aulas de Claudinha com a mesma disposição. 
Claudinha é sempre amiga. É uma das professoras preferidas dos alunos da Vila Olímpica. 

Professora de Ginástica e de hidroginástica, Claudinha promove a vida saudável e resguarda todos os seus alunos dos males que podem constituir o maior patrimônio, que é, sem dúvida, a vida. 
Nas aulas de hidroginástica da Claudinha participam homens, mulheres, jovens e idosos que buscam se exercitar; pessoas ocupadas e que tem pouco tempo para fazer exercícios, atletas em treinamento, gestantes, pessoas que estão se recuperando de alguma lesão, magros, gordos, pessoas com algum tipo de deficiência e aqueles que querem uma outra opção para os seus programas normais de exercícios.
Procurando retribuir tanta generosidade e um pouco do muito que recebem da Claudinha, seus alunos a homenageiam sempre que podem. 
Exibindo um corpo em forma que é exemplo para seus alunos e muita simpatia, Claudinha chama a atenção por sua dedicação ao trabalho. 
As pessoas com necessidades especiais, tais como as gestantes, os obesos e os idosos se beneficiam bastante das aulas da Claudinha.


Claudinha propõe sempre ações educativas, buscando a integração de seus alunos com a família, criando assim um elo entre o conhecimento adquirido na vila olímpica e as ações do dia-a-dia. 
Com a ajuda da Professor Claudinha a vila olímpica resolveu criar um espaço que mesclasse cultura, esporte e lazer. Hoje, é possível encontrar além de aula de ginástica rítmica, que é o carro-chefe do espaço, aulas de alongamento e flexibilidade, dança de salão e dança do ventre. Além disso, o espaço recebe semanalmente alunos da rede municipal de ensino para a prática de esporte e cultura – que é um compromisso de responsabilidade social que a Claudinha faz questão de desenvolver no local.


A Claudinha e seus alunos terminaram 2014 com o espírito de comemoração dos. Então é uma data em que a gente antecipa as comemorações envolvendo os alunos e as famílias. O salão de festas esteve recheado de quitutes e de presentes onde todos foram presenteados. 

A Festa de Confraternização dos alunos da Claudinha celebrou estes momentos e reafirmou os laços de amizades e confiança que foram construídos durante este período. 
Uma grande festa marcou as comemorações do aniversário da Claudinha em 2014. Alunos, pais de alunos, ex-alunos, jornalistas, autoridades, empresários, professores, ex-professores, desportistas, parceiros da vila olímpica, crianças, jovens, adultos e idosos participaram de uma descontraída confraternização.


sábado, 17 de dezembro de 2011

Exclusivo: Entrevista com a Professora Claudia Damasio França

Jornalista Joelina Cândida Alves
Quem chega à Vila Olímpica do Mato Alto, Jacarepaguá, Rio de Janeiro – RJ se impressiona com a quantidade de alunos procurando a Profª. de Ginástica Claudia Damásio França. Seus  alunos estão em toda parte e o número de interessados em se matricular cresce a cada dia.
Se dissessem para Claudinha (como é carinhosamente tratada) assim que entrou na Vila, em 2010, que em um ano ela seria a sensação da vila, era bem capaz de a professora duvidar. Graças a seu talento ela caiu no gosto dos alunos e virou sucesso absoluto no Mato Alto.

Para os alunos, a corrida do culto ao corpo e a qualidade de vida moderna é puxada pelo bom desempenho de cada aula. Todos são cariocas que pretendem fazer bonito no próximo verão. Contudo, nunca a vila viu surgir tantos alunos com o mesmo interesse, as aulas da Claudia.  

O sucesso da professora surpreende até os outros colegas de sua área.
Em "Entrevista Exclusiva" do Jornal 24 Horas Online desta semana, os alunos irão conhecer um pouco mais sobre a querida professora.

Jornal 24 Horas Online - Qual é a sua formação Acadêmica?

Cláudia Damasio França - Entrei na UFRJ em 1979 e finalizei a faculdade de Educação física em 1981, naquela época dava para fazer em três anos. Entrei na faculdade com 16 anos então com 19 já estava formada e trabalhando. Montei uma sala de ginástica nos fundos da casa dos meus pais na Tijuca, que é uma casa antiga porém espaçosa. Dois anos depois me casei e fui morar em Brasília por dois anos, lá trabalhei no Colégio Militar, em outras escolas menores e joguei vôlei profissionalmente.

Jornal 24 Horas Online – E depois de Brasília?

Cláudia Damasio França - Depois voltei para o Rio de Janeiro e fiz dois concursos para a prefeitura, onde estou até hoje. Trabalhei também em vários colégios particulares aqui e me aposentei pelo particular. Na prefeitura já estou de Licença especial para me aposentar em uma das matrículas e na outra felizmente em 2007 passei no concurso para trabalhar na Vila Olímpica do Mato Alto, onde comecei em 2010. Antes desse concurso só trabalhava na vila quem era indicado ou "peixe" de alguém.

Jornal 24 Horas Online - Onde você nasceu?
Cláudia Damasio França - Nasci no Rio mesmo, no hospital de Marinha, pois meu pai é militar. Depois que voltei para o Rio tive dois filhos: Andressa que hoje está com 24 anos e Pedro com 22. Andressa é oficial da Marinha e acaba de passar no concurso para prático, ela sempre foi muito determinada no que queria. Pedro está cursando o terceiro ano de Engenharia Civil e está fazendo curso para tentar concurso público. Foi arranjar uma namorada com o meu nome: Cláudia Maria, isso é que é complexo de Édipo!!!

Jornal 24 Horas Online – E a sala de ginástica?

Cláudia Damasio França  - Depois que fechei a sala de ginástica não voltei mais para essa área pois nessa época não valia à pena financeiramente, trabalhei apenas esses anos todos em escolas. Particulares onde meus filhos estudaram a vida toda gratuitamente, o que me ajudava muito financeiramente pois me separei do pai deles em 1997.

Jornal 24 Horas Online - Fale um pouco mais sobre a Professora Claudinha?

Cláudia Damasio França  - Sempre trabalhei em vários lugares durante os anos, teve um ano que me superei e dei aula em sete escolas (coisa de maluco!). Trabalhei durante 30 anos com criança e isso desgasta muito, só quem está dentro de escola que entende o que estou dizendo. Trabalhar com vocês para mim está sendo um presente maravilhoso, o retorno e o carinho de vocês não tem preço. Como te falei anteriormente foi num período que eu precisava muito. Por isso esses agradecimentos e reconhecimento que recebo de vocês são recíprocos. Vocês não têm idéia de como me ajudaram a manter a minha decisão.

Jornal 24 Horas Online – E a sua relação com a Equipe Master de Vôlei?

Cláudia Damasio França  - Além disso sou jogadora de vôlei, jogo desde os meus 15 anos e depois de velha comecei a jogar os campeonatos de máster e nunca mais parei, apesar de ter operado o joelho 4 vezes. Tive que abandonar a quadra e passei a treinar dupla de praia. Foi nesta modalidade que no ano passado fui campeã brasileira e este ano vice-campeã. Deus sempre sabe o que faz, acho que não conseguiria chegar e esse título jogando na quadra. Não consigo ficar sem fazer atividade física, já faz parte da minha vida. A musculação(que não gosto muito)terei que fazer pelo resto da vida para manter o joelho bom para jogar meu vôlei.

Jornal 24 Horas Online - Como foi o início de sua trajetória profissional através da Educação Física?

Cláudia Damasio França  - Alguns amigos e até parentes dizem que "puxo a sardinha" muito para o meu lado, mas acredito mesmo que todas as pessoas deveriam fazer uma atividade física assim como escovam os dentes, comem, dormem... Por isso acho que cada um deve escolher algo que goste, não importa se é uma atividade mais calma, o mais importante é que você tenha prazer de fazê-la e não se sinta na obrigação como já temos tantas coisas na vida.

Jornal 24 Horas Online - Como você avalia a importância da ginástica na vida de qualquer pessoa?
  
Cláudia Damasio França - Não vou ser hipócrita de dizer que um corpo malhado não é bonito, mas a essa altura da vida a saúde é muito mais importante. Pessoas que fazem atividade física são bem mais dispostas, ativas e bem humoradas. Tenho tido muito retorno na vila exatamente disso que estou falando e é muito bom saber que apesar de estar quase me aposentando ainda consigo melhorar a qualidade de vida de algumas pessoas.

Jornal 24 Horas Online - Não há quem não goste da Claudinha. De onde vem todo esse carisma?

Cláudia Damasio França - Complicado falar desse "carisma". Engraçado que meu ex-marido falava uma frase parecida com essa. Todo mundo gosta de você e até quando brigamos os meus amigos ficam do seu lado.  Procuro tratar todas as pessoas bem pois nunca sabemos por qual batalha ela está passando naquele momento da sua vida. Tento estar sempre de alto astral e de bem com a vida, confesso que por determinadas vezes é bastante difícil pois não tive nada de "mão beijada" , sempre lutei por tudo, mas aí eu choro mesmo pois tudo sempre na minha vida foi muito intenso, nunca vivi uma vida em "banho-maria". E acredite tenho tudo registrado em anotações faço diário desde os meus 13 anos. É muito bom reler tudo que você já viveu. Como meus filhos falam: Mãe você é de outro planeta. Ninguém ama mais desse jeito, ninguém escreve sua própria história, ninguém quer fazer tudo por todos ao mesmo tempo, seu dia tinha que ter mais de 24hs.

Jornal 24 Horas Online - Quando não está dando aula de ginástica como costuma ocupar as horas vagas?

Cláudia Damasio França - Bom como já falei anteriormente adoro jogar vôlei, mas gosto também de estar com os amigos e com a minha família que é enorme. Tento sempre reunir todos os meus amigos pelo menos uma vez por ano e sou sempre eu que promovo esses encontros. Mantenho contato com pessoas que conheci aos 10 anos. Tenho mais de 30 primos e nos vemos sempre e é isso muito bom.

Jornal 24 Horas Online – Como é seu Estilo de Vida?

Cláudia Damasio França - Tenho uma vida muito simples e sempre tive que lutar para conseguir as coisas. Gosto de praia, de vida ao ar livre, de viajar (não tive muito tempo durante minha vida para isso mas agora vou ter). Não tenho que reclamar de nada na minha vida. Tive dois casamentos um de 15 anos e outro de 10. Vivi ambos intensamente, tenho lembranças maravilhosas e fui muito feliz, mas as coisas acabam. 

Jornal 24 Horas Online - E o seu trabalho na Vila Olímpica do Mato Alto?
  
Cláudia Damasio França - Sei que não sou muito parâmetro para as pessoas da minha idade. Ainda sonho em encontrar um companheiro (isso é muito pessoal). Sei que hoje em dia não é tarefa fácil. Não sou da noite e nem uma mulher moderna aí complica. Mas esse é o sonho da minha vida: uma vida à dois em paz, um amor incondicional, alguém para poder contar e envelhecer... Li um pensamento muito bom sobre isso, aliás, eu leio muito livro de mensagens e auto-ajuda, adoro! Que o ser humano passa a vida correndo atrás de dinheiro e sucesso mas que no fundo todos querem alguém para amar, cuidar e ser feliz.

Jornal 24 Horas Online - E os sonhos, tem alguns?

Cláudia Damasio França - Atualmente estou realizando um dos meus sonhos que era construir minha casa. Eu, Andressa, Pedro e minhas duas cachorrinhas (maltês- Gostosinha e Docinho) estamos morando num quitinete de 15metros quadrados (acredite se quiser!?) enquanto fazemos a obra pois compramos uma casa de vila bem velhinha e colocamos abaixo. Você não imagina o que é morar desse jeito, parece que estamos acampados. Não tem armários, não tem fogão, nem máquina de lavar. Não está sendo fácil, mas o pior já passou.

Jornal 24 Horas Online – E a casa como será depois de pronta?

Cláudia Damasio França - Construímos três andares pois o terreno não era muito grande, mas está ficando lindinha. Pela primeira vez cada um terá o seu próprio quarto e teremos também um terraço para reunir os familiares e amigos. Estamos nessa luta há mais de 18 meses, mas se Deus quiser estaremos na casa nova antes do Natal.

Jornal 24 Horas Online  - Como é lidar com o sucesso que está fazendo na Vila Olímpica?

Cláudia Damasio França - Particularmente não gosto muito da palavra sucesso. Prefiro acreditar que estou conseguindo ajudar e melhorar a qualidade de vida de todas as pessoas com quem convivo, amigos ou alunos. "Se pudéssemos ter a consciência do quanto a nossa vida é passageira, não jogaríamos fora as oportunidades que temos de ser e fazer os outros felizes."

Mensagem Musical de Saudades



O vídeo “Mac Arthur Park”, de Donna Summer é para matar as saudades de todas as pessoas especiais que passaram pelas aulas da Profª Claudinha, pois esta música embalou nossas 3ªs e5ªs pela manhã em 2011. A tradução da letra em Português diz assim: Primavera nunca estava esperando por nós, menina. Ele correu um passo à frente. Como nós seguimos na dança. Entre as páginas separaram e foram pressionados. Em ferro do amor, quente febril. Como um par de calças listradas...” Feliz 2012.
 
Homenagem dos Alunos à Claudina

Acho as aulas da Claudinha maravilhosas e sugiro que tenhamos mais aulas. A Vila tem que tirar da grade as aulas de dança e colocar aula de ginástica para a 3ª idade, dividir a turma, pois nossa sala está muito cheia. A gente está precisando malhar. Eu estou comendo muito, tenho que emagrecer para continuar sendo “a gostosona” e continuar em forma. Adorei a Vila Olímpica que está sendo muito boa para nossas saúdes. O contato físico com as pessoas também é excelente e que em 2012 continuemos juntos -
Carla Bernardos dos Santos.
A Claudinha pra mim é nota 1000. Pessoa e professora maravilhosa que elogio em qualquer canto que vou. Para mim ela é a melhor professora que tive até hoje. Adoro-a. Suas aulas só trouxeram coisas boas em minha vida. Muitas vezes chego aqui cheia de dores e saio feliz. Agradeço a ela por estas mudanças em minha vida e agradeço a Vila Olímpica também. Feliz Natal e que “Papai do Céu” possa lhe abençoar na vida profissional e pessoal e que tenha um ano de 2012 cheio de paz e de amor -
Cirlene Dalva de Souza Gonçalves.
Eu vim para a Vila em novembro de 2010 e comecei as aulas em março de 2011, já fui apresentada a ela e me identifiquei rápido pois tenho uma filha também com o nome de Claúdia. Percebo que ela é muito séria no trabalho e muito responsável no que faz. É uma profissional completa a meu ver -
Idenir Couto de Amorim.
Eu conheço a Claudinha há uns dois anos e quando soube que ela estava na Vila vim de longe para cá, pois sei de sua capacidade e que seu trabalho é excelente. Ela é preocupada com a gente e eu acho isso ótimo. De sua aulas só tenho elogios pois são bem trabalhadas e queimamos bastante calorias. Claudinha, que você tenha um próspero Ano de 2012, que Deus lhe abençoe e que consigas tudo o que desejas. Que a sua casa esteja pronta o mais rápido possível. É o que lhe desejo juntamente com toda a minha família -     Lourdenaide Guimarães.
As aulas da Claudinha têm sido muito bem aproveitadas. A nossa auto estima fica lá em cima e melhora muito. Para mim a Claudinha tem sido uma bênção. E sem contar que interagimos com as outras pessoas e isso é muito bom para mim, para nós mulheres, principalmente depois dos 40 anos. Eu acredito que para seja boa para todas nós. Feliz Natal e que o Senhor Jesus Cristo possa abençoá-la cada vez mais e que você continue sendo esta pessoa maravilhosa mais do que ainda é. Que Deus lhe dê bastante sabedoria e entendimento e que seja o seu caminho para sempre - Maria de Lourdes dos Santos.
Eu acho as aulas da Claudinha ótimas, melhor do que esperava. Estou aqui há mais de um ano e percebo os efeitos que estas aulas trouxeram para minha vida. Eu sempre elogio a maneira que ela nos trata, pois ela puxa pelos alunos e nós a seguimos. Nós alunos amamos muito, gostamos e só queremos o bem dela. Que ela seja feliz - Maria Inez Gomes Torres.
Eu tenho só elogios às aulas da Claudinha. Há mais de 20 anos que faço ginástica e já passei por vários lugares e lhe digo que ela é uma professora nota 10. Não perde para nenhuma academia. A ginástica dela é sensacional, professora maravilhosa. Só saio daqui se me expulsarem. Que ela seja muito feliz, que tenha muita saúde e que continue sendo esta professora maravilhosa. Que Jesus a proteja - Maria Zélia Fonseca de Souza.
Estou a um ano nas aulas da Claudinha e adoro sua maneira de trabalhar. Suas aulas são excelentes e ela é uma professora expetacular. Além da ginástica também faço caminhada e uma coisa complementa a outra, pois as mudanças em minha vida são visíveis. Eu estou gostando e lhe digo que tenho tido aulas que nunca tive igual em outros lugares. Eu desejo Feliz Natal e Feliz Ano Novo para você e toda a sua família. Que continues sendo esta pessoa iluminada - Marlúcia Albuquerque de Araújo.
Eu acho a Claudinha uma pessoa maravilhosa, dedicada aos alunos, que dificilmente falta em seus compromissos. Suas aulas são maravilhosas e em função de estar aqui à gente percebe mudanças em nossas vidas no dia a dia. Sem contar  que a saúde melhora muito com os exercícios. Eu fiz Caratê por 13 anos e já pratiquei muitos exercícios. Só que fiquei parado por muito tempo e só estou entrando em forma agora, aqui na Vila Olímpica. Minha vida melhorou muito - Paulo Feijó.
Eu acho as aulas da Claudinha excelentes e para mim vem melhorando 100%. Eu estava com dores tremendas no corpo, sem poder fazer nada. Chegava em casa sentava e quinze minutos depois quando levantava o corpo todo doía. Depois que vim para a Vila Olímpica tudo melhorou pois faço Natação, Hidroginástica, Ginástica, Caratê e Alongamento. O meu corpo já é outro totalmente e me sinto melhor em tudo. Eu agradeço a Claudinha por tudo que tem feito por nós, pois vejo que ela é uma professora muito dedicada e esforçada e desejo que ela seja muito feliz em 2012 - Valber Rodrigues.
Eu sou aluna da Claudinha e acho que ela é uma excelente professora e uma pessoa muito guerreira, que corre atrás. Além do mais ela é muito guerreira, carismática e humilde. Eu a cada aula trago uma banana para ela. Eu acho suas aulas ótimas, ela puxa mesmo pelos alunos e se interessa em ensinar um por um quando percebe alguma dificuldade. Ela é ótima. Claudinha eu desejo pra você um Feliz Natal e um Ano Novo cheio de saúde também para toda a sua família. Que você continua sendo esta pessoa maravilhosa e uma excelente professora. Carinhosamente - Wilma Baptista Lyra.
O Natal é um dia festivo e espero, Claudinha,  que a sua visão possa estar voltado para o grande momento, a festa do nascimento de Cristo dentro de seu coração. Que neste Natal você e todos os seus sintam mais forte ainda o significado da palavra amor, que traga raios de luz que iluminem o seu caminhar como você trouxe para o nosso em suas aulas e transformem o seu coração a cada dia, fazendo que você viva sempre com muita felicidade – Nós te amamosJoão Guilherme.
Claudinha, obrigada por nos dar momentos doces e cheios de significados para as nossas vidas em suas aulas. É tempo de repensar valores, de ponderar sobre a vida e tudo que a cerca. É momento de deixar nascer essa criança pura, inocente e cheia de esperança que mora dentro de nossos corações. É sempre tempo de contemplar aquele menino pobre, que nasceu numa manjedoura, para nos fazer entender que o ser humano vale por aquilo que é e faz, e nunca por aquilo que possui –
Maria Rosa.
Também quero deixar minha mensagem a pessoa que muito nos deu em qualidade de vida em 2011, a Profª Claudinha. É tempo de refazer planos, reconsiderar os equívocos e retomar o caminho para uma vida cada vez mais feliz. Teremos em 2012 outras 365 de novas oportunidades de dizer à vida, que de fato queremos ser plenamente felizes. Espero continuar como sua aluna na ginásticaMaria do Carmo.
Claudinha, obrigada por suas aulas. Eu quero  viver cada dia, cada hora e cada minuto em sua plenitude, como se fosse o último. Quero renovação em minha vida e buscarei os grandes milagres para minha saúde. Desejo o mesmo para você e toda sua família. Todo Ano Novo é hora de renascer, de florescer, de viver de novo. Aproveite este ano que está chegando para realizar todos os seus sonhos! Patrícia Melo.

FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO PARA TODOS!

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

logoMM8_100

Racismo e sexismo na mídia: uma questão ainda em pauta

Rio de Janeiro, 29 de novembro a 1º de dezembro de 2011
Auditório do BNDES - Av. República do Chile, 330

Realização: Instituto Patrícia Galvão, Secretaria de Políticas para as Mulheres, Secretaria de Promoção de Políticas da Igualdade Racial, Fundação Ford e ONU Mulheres. Apoio: BNDES.

Assista à transmissão ao vivo por internet: acompanhe as exposições e participe dos debates acessando o link emhttp://www.agenciapatriciagalvao.org.br
Ao longo do evento serão postadas notícias via Twitter e Facebook.


PROGRAMAÇÃO

29 de novembro - 3ª feira

16h - Coquetel

17h - Mesa de abertura: Racismo e sexismo na mídia: uma questão ainda em pauta - Jacira Vieira de Melo (Instituto Patrícia Galvão); Luiza Bairros (ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial);
Tatau Godinho (subsecretária de Planejamento e Gestão da Secretaria de Políticas para as Mulheres); Nilcéa Freire (representante da Fundação Ford no Brasil); Maya L. Harris (vice-presidente da Fundação Ford para o Programa de Democracia, Direitos e Justiça); Luciano Coutinho (presidente do BNDES)
     ONU Mulheres.

18h - Lançamento do Baobá – Fundo para Equidade Racial (Athayde Motta, diretor executivo);

18h30 - Apresentação dos resultados do Curso de Formação para Jornalistas sobre Gênero e Raça/Etnia (Valdice Gomes, coordenadora geral da Conajira/Fenaj).

19h - Homenagem à jornalista Lena Farias

30 de novembro - 4ª feira

9h - Mesa 1: Há uma cultura de negação do racismo e do sexismo na imprensa?
Luiza Bairros (ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial); Iriny Lopes (ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres)
Dennis de Oliveira (jornalista, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo). Debatedora: Conceição Freitas (jornalista e cronista do Correio Braziliense, ganhadora do mídia impressa da 1ª edição do Prêmio Abdias Nascimento)
 Coordenadora: Isabel Clavelin (assessora de comunicação da ONU Mulheres);

12h - Lançamento da publicação Imprensa e Agenda de Direitos das Mulheres: uma análise das tendências da cobertura jornalística
Realização: Secretaria de Políticas para as Mulheres, ANDI - Comunicação e Direitos e Instituto Patrícia Galvão;


14h30 - Mesa 2: Regulação democrática, direito à igualdade e respeito à diversidade de gênero e raça -  Bia Barbosa (jornalista, integrante do Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social); Sérgio Suiama (procurador de Justiça do Ministério Público Federal); Alexander Patez Galvão (coordenador do Núcleo de Assuntos Regulatórios na Ancine); Debatedora: Juliana Cézar Nunes (jornalista, Rádioagência Nacional/EBC); Coordenadora: Angélica Basthi (jornalista e escritora, membro da Cojira/RJ).

1º de dezembro - 5ª feira

9h - Mesa 3: Raça e gênero na publicidade: onde estão os limites éticos? Edson Lopes Cardoso (jornalista, assessor especial da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial); Maria Luiza Heilborn (antropóloga social, coordenadora do Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos – CLAM); Renato Meirelles (publicitário, diretor do Data Popular);
Debatedora: Nádia Rebouças (publicitária, diretora da Rebouças & Associados)
Coordenadora: Paula Andrade (jornalista, integrante da Rede Mulher e Mídia).


14h - Mesa 4: Racismo: a imprensa nega, a TV prega? Maria Ceiça de Paula (atriz); Hilton Cobra (ator, diretor da Companhia dos Comuns); Maria Carmen Barbosa (autora de telenovelas e séries para TV)
Rosane Borges (jornalista, professora da Universidade Estadual de Londrina)
Debatedora: Ana Veloso (jornalista, professora da Unicap e representante do sociedade civil no Conselho Curador da EBC); Coordenadora: Alice Mitika Koshiyama (professora da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo).
Mais informações: mulheremidia8@patriciagalvao.org.br -
(11) 2594.7399.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

INSTITUÍDO DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Foto: Reprodução
Lei sancionada em 11/11/2011. Em todo o país a data é comemorada com marchas e outras atividades.

A presidenta da República, Dilma Rousseff, sancionou ontem (10) a Lei 12.519, que institui o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, a ser comemorada, anualmente, no dia 20 de novembro, data do falecimento do líder negro Zumbi dos Palmares. A resolução oficializa uma iniciativa bem-sucedida dos movimentos sociais negros, iniciada em meados dos anos mil novecentos e setenta.

Hoje, incorporado ao calendário das escolas e de muitas outras instituições públicas e privadas, o 20 de Novembro destaca-se como um evento cívico vibrante e de grande participação popular.

“As justas homenagens que prestamos a Zumbi e seus companheiros e companheiras exprimem o reconhecimento da nação às lutas por liberdade e pela afirmação da dignidade humana de africanos e seus descendentes que remontam ao período colonial”, declara a ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros.

O Dia Nacional da Consciência Negra já é celebrado em 20 de Novembro e é dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. Apesar do ponto alto da celebração coincidir com o dia da morte de Zumbi dos Palmares, a cada ano as atividades alusivas à data são expandidas ao longo do mês, ampliando os espaços dedicados à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade.

Um número cada vez mais significativo de entidades da sociedade civil, principalmente o movimento negro, tem se mobilizado em todo país, em torno de atividades relativas à participação da pessoa negra na sociedade em diferentes áreas: trabalho, educação, segurança, saúde, entre outros temas.

Neste Ano Internacional dos Afro descendentes – instituído por Resolução da Organização das Nações Unidas (ONU), o Dia Nacional da Consciência Negra ganha caráter internacional. No Brasil, o ápice desta celebração será o AfroXXI – Encontro Ibero-americano do Ano Internacional dos Afrodecendentes, que acontece em Salvador, de 16 a 19 de novembro. O evento reunirá representações de países sul-americanos, caribenhos, africanos e ibero-americanos, em torno de debates acerca da situação atual desses povos nas regiões participantes.

A comemoração do 20 de Novembro como Dia Nacional da Consciência Negra surgiu na segunda metade dos anos 1970, no contexto das lutas dos movimentos sociais contra o racismo. O dia homenageia Zumbi, símbolo da resistência negra no Brasil, morto em uma emboscada, no ano de 1695, após sucessivos ataques ao Quilombo de Palmares, em Alagoas. Desde 1997, Zumbi faz parte do Livro dos Herois da Pátria, no Panteão da Pátria e da Liberdade.

Cinzas de Abdias Nascimento são depositadas na Serra da Barriga

Homenagem a Abdias Nascimento reuniu diversas lideranças do movimento negro
Cinzas de ativista negro são depositadas na Serra da Barriga
Cerimônia reuniu lideranças e militantes do movimento negro no Brasil

O ativista negro Abdias Nascimento, ex-senador, ex-deputado federal, fundador do Movimento Negro Unificado, defensor da cultura e da igualdade das populações, falecido no mês de maio último, foi homenageado neste domingo, 13, na Serra da Barriga, em União dos Palmares, com a presença de vários militantes e ativistas da causa negra.

Compareceram ao ato lideranças da Nigéria, do Brasil e do Estado, que foram acompanhar o cortejo do enterro das cinzas do ativista, atendendo a um pedido de Abdias. Familiares, os três filhos, a ex-esposa Léa Garcia, atriz da Rede Globo e a última esposa Elisa compareceram ao local e realizaram um ato político que durou várias horas, com discursos, homenagens, recitação de um poema de Abdias pelo ator Chico de Assis, cantorias e falas do secretário de Cultura, Osvaldo Viégas, que foi representando o governador Teotonio Vilela Filho (PSDB).

O presidente da Fundação Palmares, Eloi Ferreira de Araújo, foi uma das primeiras autoridades a chegar ao local. Ele foi acompanhado do ex-deputado Paulo Fernando dos Santos (Paulão), mas por motivo de agenda teve que sair da cerimônia antes da colocação das cinzas de Abdias, num local íngreme da Serra da Barriga, previamente escolhido por militantes da causa negra, próximo à lagoa sagrada, onde também foi plantada uma muda de baobá, árvore sagrada para os militantes.

Além da muda do baobá onde foram colocadas as cinzas de Abdias, também foi plantada uma muda da gameleira branca, outra árvore sagrada para os negros. Eloi Ferreira disse que Abdias foi um dos maiores líderes pela luta democrática do País e observou que aquela cerimônia na Serra da Barriga foi atendendo a seu desejo.  “A nação tem que se libertar dos efeitos da escravidão e o movimento que aqui vai acontecer será inesquecível para todos”, disse ele.

O presidente da Fundação Palmares revelou que a idéia da instituição é criar um ambiente na Serra da Barriga que envolva artesanato e cultura. “Estamos celebrando a vida e a obra de Abdias e queremos valorizar a cultura de raiz africana, a língua, a gastronomia e a vestimenta. Os indígenas e negros que aqui viveram constituíram uma matriz de identidade nacional. A luta dos escravos e brancos pela liberdade contra a repressão, observou.

“Reconhecemos a importância do Quilombo dos Palmares, não apenas pelos negros e brancos que eram oprimidos na época. Queremos fazer aqui um espaço permanente de atividades, estamos nessa briga. Há um interesse dos estrangeiros, é um espaço diferenciado que merece ser visitado e há o compromisso do governador em viabilizar o acesso.

Agenda

A representante do escritório da Fundação Palmares em Alagoas, Genisete de Lucena Sarmento, que tomou posse recentemente, disse que no mês da consciência negra o mundo se volta para a Serra da Barriga. “A partir de 2012 vai ser diferente. Assumimos o compromisso de iniciar alguma atividade já no dia 6 de fevereiro e durante o ano todo daremos mais atenção à Serra, aos nossos antepassados”, ressaltou Genisete.

A representante alagoana do escritório da Fundação Palmares disse ainda que há uma parceria entre a Prefeitura de União dos Palmares e o governo federal, por intermédio da Fundação Palmares e o governo do Estado.

Ela explicou que o DER, na pessoa do seu diretor Iran Menezes, se comprometeu a sentar com a Fundação e a prefeitura de União dos Palmares, para que conversar sobre a manutenção da estrada de acesso à Serra da Barriga e propôs que essa manutenção seja feita de três em três meses. “Vamos lutar para que o local tenha acessibilidade e visibilidade, funcionando todos os dias”, observou.

Participaram da homenagem para Abdias Nascimento, além dos ativistas negros, o grupo Ilê Aye da Bahia estava na Serra da Barriga com o toque inconfundível de seus tambores, a ministra da Igualdade Racial, Luíza Bairros, a secretária da Mulher, Kátia Born, o secretário de Cultura do Estado, Osvaldo Viégas, o secretário de Cultura do município, Elson Davi (representando o prefeito Areski Freitas), entre outras autoridades e lideranças.

 A Iyalorixá Mãe Neide Oyá D’Oxum, do Grupo União Espírita Santa Bárbara (Guesb), assumiu o restaurante do local e preparou o almoço que foi servido aos visitantes e participantes do ato em homenagem a Abdias Nascimento.

Rota dos Baobás

O ativista negro Antônio Carlos Santos Silva, o TC, disse que pretende implantar A Rota dos Baobás em Alagoas. Ele disse que a proposta nasceu em Campinas e objetiva fazer o georeferenciamento dos quilombos no Brasil.

“O projeto visa integrar as ações de articulação da Rede Mocambos, que integra aproximadamente 80 comunidades, em 15 estados brasileiros, em sua maioria comunidades quilombolas, urbanas e rurais e também entidades culturais e de terreiros”.

Segundo ele, a Rede Mocambos também vem fortalecendo a integração entre muitos pontos de cultura e ações do Programa Cultura Viva, “ações de inclusão digital entre vários ministérios e interação com outras redes de comunicação social nas comunidades quilombolas”, explica.

Segundo TC, o baobá é um elemento simbólico, “que nos remete à nossa ancestralidade e tradições. O objetivo de Antônio Carlos é plantar 480 baobás, indicando os 480 anos que marcam a chegada dos primeiros negros no quilombo.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Conferência Municipal de Política de Promoção da Igualdade Racial Agita Petrópolis

Com o tema: Igualdade, Petrópolis realizou neste fim de semana a COMPIR – Conferência Municipal de Promoção da Igualdade Racial. O evento que é o Foro Municipal de deliberação das diretrizes da Política Municipal de Promoção da Igualdade Racial traçou as diretrizes da política municipal. Estiveram presentes representantes de órgãos públicos, entidades de classe, instituições de ensino, organizações patronais, conselhos, associações e representantes de entidades e de organizações da sociedade civil. Compondo a mesa Dr. Jesus Nascimento, Advogado (E), Jorge Lourenço Luz, Presidente da Comissão Organizadora da Conferência (C) e Adenilson Honorato, Assessor do Gabinete do Prefeito  de Petrópolis, Mustrangi.
“Nosso município sempre ficou marcada sobre a questão do racismo e, especificamente pela exclusão dos negros. Mas que uma simples herança de nosso passado, essa problemática racial toca o nosso dia a dia de diferentes formas. O espaço do negro é limitado. Ainda temos mitos de nós em subemprego e fora dos bancos escolares”, Falou Jorge Lourenço Luz, presidente da Comissão Organizadora da conferência.

“Com a conferência queremos mudar tudo isso para termos oportunidade de igualdade em todos os aspectos. Quaisquer outras políticas que não sejam dirigidas prioritariamente ao segmento negro, jamais alcançarão a isonomia na sociedade brasileira. Só aumentará claro, a desigualdade, o fosso entre brancos e negro-pardos.”, Complementou Jorge Lourenço Luz.
O Dr. Jesus Nascimento, Advogado e palestrante falou sobre “A Lei Áurea, O que mudou na parte jurídica até hoje”. Ele fez um passeio histórico que foi de 1798 (A Revolta na Bahia), passou por 1871 (A Lei do Ventre Livre), seguiu para 1888 (Assinatura da Lei Áurea) e chegou aos dias de hoje.

Segundo Dr. Jesus, “O negro é o único segmento populacional que ainda não foi pago pela construção do país chamado Brasil. Não fosse o trabalho do negro, continuaríamos ser a Terra dos Papagaios, a Pindorama, talvez, uma Bolívia maior, ou coisa parecida”, revelou.

A tão falada Dívida Social, também não foi esquecida pelo palestrante. Segundo o Advogado “ela é devida unicamente aos negros”. “Foram eles que durante 300 anos construíram as bases econômicas do Brasil, em condições brutais de escravatura, a custo da completa exclusão da sociedade, impedidos de se educarem minimamente”, falou.

O advogado falou também das cotas de negros nas universidades, sobre as quais muito se fala nos dias de hoje como apenas um detalhe. Embora seja justa e necessária, vai ao encontro de uma minoria que conseguiu superar o gargalo no ensino fundamental e médio, podendo assim se candidatar à vagas nas universidades. “Mas a massa da população negra continua excluída”, Encerrou.

O que é tipificação de crime? Em seu discurso o Dr. Jesus lembrou que Tipificar significar tornar crime uma conduta. Para isso é necessário descrever com precisão a conduta e atribuir uma pena. Por exemplo, se um indivíduo causa, intencionalmente, a morte de outra pessoa, para que haja responsabilização criminal é preciso verificar se há uma descrição dessa conduta em um tipo penal na lei. Por exemplo: “Matar alguém. Pena: reclusão de seis a vinte anos”. Sendo assim, o ato de matar alguém é crime de homicídio.

Apesar de vigorar a 20 anos, a Lei 7.716/1989, ignorada, conhecida como Lei Caó, que classifica o racismo como crime inafiançável, punível com prisão de até cinco anos e multa, é pouco aplicada. Na maioria dos casos é classificada como injúria, que dá prisão de seis meses. A maior parte dos casos de discriminação racial é tipificada pelo artigo 140 do Código Penal, como injúria, que prevê punição mais branda: de um a seis meses de prisão e multa.

São poucos os casos enquadrados pela Lei Caó. Muitos policiais, promotores e juízes consideram que a pena para crime de racismo é mais alta do que o delito e que suas repercussões podem ser excessivas para quem cometeu. Então, muitas vezes, se entende por tipificar como delito de injúria. Segundo Dr. Jesus "Há um grau de dificuldade em tipificar o crime de racismo pelas autoridades policiais, por parte de alguns integrantes do Ministério Público e pela magistratura”.
 
Para ele, o preconceito racial é uma questão cultural. "O Brasil, na verdade, é um país racista e não está preparado para ver o negro em uma situação boa. Seja para andar em carro bom ou ter um cargo de destaque. O Brasil não assimilou que a negra luta pela sua condição."

Jesus Nascimento, aponta a falta de qualificação dos envolvidos nos processos investigativos e judiciais como principal fator para baixa utilização da lei. "O que ocorre é que o agente, o funcionário de segurança, quando faz o registro da ocorrência, ele acaba recorrendo ao ato de injúria, quando na verdade a qualificação como racismo tem uma penalidade mais dura.

A conferência contou com a apresentação do Grupo “Cordão de Ouro” e “Baianas do Acarajé”, do mestre Ganso, palestras, rodas de conversa, rodas de memória, troca de saberes, fazeres e manifestações culturais Petrópolis

Como denunciar
Quem for vítima de discriminação racial, de acordo com os especialistas consultados pelo 24h, deve procurar uma delegacia para registrar um boletim de ocorrência.

Em seguida, pode procurar um advogado ou defensor público para dar andamento em um processo judicial.

No caso de uma discriminação genérica contra a raça não atingir diretamente uma pessoa, o caminho é procurar o Ministério Público do estado. Se ocorrer no ambiente de trabalho, o Ministério Público do Trabalho.